quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Mountain Do 2013 Lagoa - a vez da dupla

A raça
Corri o Mountain Do Santinho todas as duas vezes em dupla. Com o Hélio fomos campeões e com a Taty vice (no geral incluindo duplas masculinas :-). Mas eram outros tempos, eu corria trilha todo fim de semana e a galera estava treinando pra isso.

Dessa vez joguei a isca para correr o Mountain Do Lagoa em dupla e o Anastácio mordeu. A AndarIlha iria então com uma dupla e um quarteto com o Queiróz, Dariva, Hélio e Tiago.

A largada foi do Anastácio... Saí do LIC com o Juan, que foi convocado às pressas para fazer nosso apoio na sexta-feira a noite e topou na hora. Chegamos no campeche, me estiquei um pouco pra terminar de acordar e começaram a passar os primeiros atletas. Contei as duplas e o anastácio chegou em 12º, haviam ao que lembro 22.

Larguei conforme combinamos, de leve. A ideia era ir tranquilo nos primeiros trechos pra ter alguma sobra nos últimos. Como eram 73 km em 8 pedaços totalmente variados, simplesmente dividimos alternando os 4 primeios e dobrando os 4 últimos. Essa decisão não foi acertada. Dava pra ter alternado os últimos, mas achamos que não iria dar tempo de resgatar um corredor no fim do trecho 6, voltar com o elemento até o rio vermelho, pegar o barco e estar no posto 7 pra fechar o oitavo trecho. Mas parece que algumas equipes conseguiram fazer isso e evitaram ter que correr 20 km numa paulada só.

Então saí num ritmo moderado, esqueci o monitor cardíaco e fui na respiração. Dava 4:20, 4:15 no plano e fui sendo passado por muita gente. Aqui a experiência de saber o que tem a frente conta, hehehe. Depois de 3 km entrei nas areias movediças do campeche. Até a Joaquina, 100 % do terreno era de areia fofa ou pastosa. Inclinada na beirada e até onde o mar batia estava mole. O vento nordeste bem na proa estava perfeito. 6min/km num esforço moderado. E comecei a passar um monte de gente...

Cheguei na joaca e passei o chip e o garmin pro Anastácio. O dele pifou antes da largada. E foi legal, porque fiquei com todos os trechos no bicho e achei um programinha que junta todos os arquivos .tcx num track só, olha que legal. Quem tem um percurso desses completo :-)) ??

Será que um dia sai solo ?
O Anastácio se foi pras dunas do Saara e eu fui pra Mole. O Juan foi reconhecido pelo cara do estacionamento, o Gringo conhece meio mundo e ali estava um aluno do Karatê. Deixamos o carro a 2 metros da transição pro trecho 4 :-).

Fui no banheiro, hidratei bem e comi um gel. O dia estava deveras quente e úmido. O Anastácio chegou e me mandei pela praia mole, sendo ultrapassado por muita gente. E peguei todo mundo de volta na trilha pra galheta. E depois na subida do morro pra mole comecei a pifar. As pernas estavam já pesadas então comutei pra caminhada morro acima antes que fizesse um estrago irreparável.

Eca
Encontrei a Débora e segui no pequeno plano que tem lá em cima, aí comecei a descer as rampas de pedra inclinadas. Desci tudo correndo. E me empolguei. Comecei a descer alucinado, correndo cada vez mais e fui passando gente. Já estava me achando a versão tropical do Kilian Jornet quando voltei a realidade indo de cara no chão. Os nossos reflexos são muito interessantes. Do jeito que caí tinha uma pedra dum lado, uma árvore do outro e caí deitado com a cara no chão no meio disso tudo. A descida era inclinada, e a primeira coisa que pensei é que poderia ter perdido vários dentes se desse de cara na árvore. Felizmente a mão esquerda segurou. Sofreu um pouquinho e só.


Continuei margeando o canal da barra e passei a ponte pênsil e então fechei o trecho no projeto Tamar. Tempo bem parecido com o que eu lembrava, pelo visto forcei demais. Ali fui na ambulância limpar e enfaixar a mão e seguimos para o PC 7, pois o Anastácio correria os trechos 5 e 6 seguidos.

Paramos numa padaria e comi um pão com queijo e tomei coca-cola. Aí comi uma banana e mais um gatorade. Seguimos. No PC o Juan ficou de vigia enquanto eu deitei debaixo de um pé de amora e tentei dormir. Acordei lerdo e zonzo.

Ficamos lá sentados no campo de futebol esperando e desmaiando. Fiquei realmente lerdo e comi mais uma banana. Fui no banheiro e fiquei com sono. Esse negócio de revezar é complicado. As panturrilhas já estavam pesadas e o tendão esquerdo estava dando as travadas que eu sinto na manhã seguinte pós corridas. Só que estava no meio da corrida e ainda faltavam 20 km.

Bom, o Anastácio chegou. Saí então à caça de duas duplas que vi passar, agora era usar o que tinha sobrado. Peguei a estrada de lajotas e logo na primeira trilhinha passei os dois, e então veio o único pedaço de asfalto até o começo da trilha para a costa da lagoa.

Comecei a subir a trilha surpreendentemente bem, empolgado mas cuidando pra não exagerar. Nos topos, os melhores trechos pra correr da prova toda, uns single-tracks perfeitos, não mais de 30 ou 40 cm de largura sem raízes ou pedras, num terreno ondulado na floresta. Muito, muito bom. No topo do morro, que não é o da trilha tradicional do ratones para a lagoa, um visual que aposto que 90 % de quem mora em Floripa não conhece. O espelho dágua do extremo norte da lagoa cercado de verde por todos os lados, e depois da floresta de pinheiros do rio vermelho, o marzão do moçambique. Dali não dá pra ver NENHUM sinal de civilização. Levei outro tropeção ali ao descer embasbacado com o lugar, mas parei antes de ir pro chão.

Cheguei no último posto de troca e segui direto, falei alguma coisa com o Hélio que aguardava ali e segui empolgado. Comi o último gel logo depois. Tinha saído com 3, comi um logo nos primeiros 15 min e só tinha mais um. Algum caiu no caminho...

Comecei a andar nas subidas e a ficar fraco. O Giliard, da dupla campeã, me passou. Não acreditei no ritmo que ele ia e perguntei que horas largou, ele disse 9:10. Largamos às 8, então ali ele já estava 1h10 na nossa frente, impressionante. E logo sumiu. E eu comecei a sumir.

Fiquei com muita fome e passar nos restaurantes à beira da lagoa não ajudou. Meu reino por um gel ou uma banana. Tive que andar num pedaço plano, fiquei puto de não ter dosado direito e então percebi que tinha errado na alimentação. Fiquei 2h10 parado e só comi um pão e uma banana, deveria ter me alimentado melhor. O fato de não estar treinando nada de trilha também não ajudava. 38 km de trilha, areia fofa e morros, assim, do nada, causa o seu estrago. Fazia tempo que eu não fazia uma prova tão sem treino. Não condicionamento, mas específico.

Lembrei dos ensinamentos do Roberto quando perdi o único gel no GP de inverno: "agora vai só na gordura". E fui indo lento, deixando o corpo entrar em modo lipolítico pra não pifar de vez. Segui tropeçando, as pernas não respondiam mais direito. Eu olhava uma pedra e pensava: isso, levanta o pé esquerdo, bastante. E a perna não levantava nada, cheguei a dar duas dedadas numas pedras que pensei que tinha arrancado a unha.

Foi chegando no final da trilha e no canto dos araçás vi uma miragem: um posto dágua com a staff distribuindo gel ! Peguei dois glico gel e comi de uma vez, com dois copos dágua junto. Fui ultrapassado por um atleta de octeto e outro de quarteto e segui balizando o ritmo por esse último. Entrei na rua do LIC e logo o Juan vinha com a camiseta da AndarIlha para eu trocar. Como não achei a de manga curta, não tive coragem de correr o último trecho de manga comprida, bastou o segundo onde fervi. Troquei agilmente as vestimentas e entrei no clube com o Anastácio pra cruzar a linha de chegada, agora os meus restos estava ressucitando rapidamente.

7h51min de paulada, e depois vimos que ficamos em 4º lugar nas duplas. Largar segurando deu resultado, pulamos de 10º no fim do quarto percurso para 4º no final. A voz da experiência, os veteranos deram trabalho pra gurizada hahahaha. Muito bom, diversão garantida. E destruição completa. Há tempos não ficava tão quebrado. Bebi uns dois litros de suco, comi melancia e banana até estufar e fomos descansar um pouco. Reunimos com o quarteto pras fotos oficiais e tocamos pra casa. Diazinho longo.

Bom demais correr em dupla. Na hora eu fiquei pensando em quem foi o miserável que deu essa ideia :-)... mas depois de 1h já estávamos considerando uma mudança de estratégia para os últimos trechos no próximo ano... A cabeça esquece rápido... e o corpo paga a conta :-).

Valeu galera, mais um Mountain Do num dia sensacional e um lugar melhor ainda. E obrigado especial ao Juan, que teve o privilégio de acordar às 6 da manhã e ficar até às 15 nos transportando pra lá e pra cá. Pronto, agora já foi em octeto, quarteto e dupla. Haverá um solo :-D ??

6 comentários:

  1. Cara... sinceramente... vocês têm m(*&@(&@ na cabeça de fazer essas coisas! Kkkk
    Parabéns Pina... legal o relato. Eu sou mais "do asfalto" mas gosto de ler de tudo um pouco sobre tudo. Ademais... sou muito desastrado. No teu lugar eu certamente teria dado com a cara na árvore e na volta a nuca na pedra, ou vice versa. Kkk
    Abraço!
    Milton - hhttp://vintesemanas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHAHAH

      Tens que experimentar !


      Valeu cara !!

      []s

      Excluir
  2. Respostas
    1. Valeu Samo ! A noite vejo o programa, agora não lembro mesmo... o único cuidado é botar os tracks em ordem, senão ele se perde todo....

      Excluir
  3. Jisus !!!
    Correr na areia me traz más lembranças, quem sabe um dia eu topo um negócio desse.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bro, o negócio é punk mesmo com areia daquele jeito. Uma vez tivemos o moçambique num praias e trilhas, 14 km assim. Sentei na areia e fiquei lá sem saber o que fazer kkkkkkk.

      Qual a má lembraça :-) ?

      Excluir

Participe ! Deixe sua opinião, ou crie uma polêmica :-)