quarta-feira, 3 de junho de 2015

Ironman Brasil Florianópolis 2015, o retorno !

Eis que depois 2013 fora, voltei. E deu saudade. É inexplicável, mas isso é um ímã... Jurerê nessa semana fica mais legal do que já é, mas o mais interessante mesmo é estar em casa. Me preparei como em nenhum outro ano. Mudei levemente a dieta, me dediquei aos treinos de natação como nunca, corri intervalados até não poder mais, derreti na bike indoor, fiz longos memoráveis com os amigos, tanto de bike quanto de corrida. Foi um período excelente, sem lesões ou sequer uma gripe. Na parte alimentar cortei boa parte das farinhas brancas, acrescentei mais ovos e castanhas, suplementação de Whey e Glutamina de abril em diante, além de multivitamínico.

Como uma preparação boa, estava confiante. A única coisa que acho que fiz errada foi a alimentação na semana da prova. Comi muito pouco na sexta-feira e no sábado. Acho que estava realmente com fome na manhã da prova, mas aí evitei me entupir, mesmo porque seria tarde demais. Fiquei tão focado em deixar a bike perfeita, em ajustar os treininhos de polimento, não ficar gripado e dormir bem essa semana que não comi direito. Tenho a nítida impressão que cheguei na prova sem as reservas de glicogênio no máximo.

Muita emoção ao entregar a bike depois do pedal perfeito.
Estava escaldado de 2013 e dei um beijo na branquela quando desci haha
Bom, vamos à prova !

Para a largada me posicionei exatamente atrás da elite. Imaginei que ali estaria a linha mais reta até a primeira boia. Fiquei debaixo da faixa e saí feito louco quando a buzina tocou. Só que veio uma manada de homens e mulheres foca atrás, alguém me derrubou com água ainda nas canelas, levantei golfinhando, fui atropelado e segui apanhando e batendo até a primeira boia de percurso, que deixei à esquerda e finalmente consegui nadar mais solto... terminei a primeira perna bem e ofegante e com uma puxada na coxa direita ao sair da água. Moderei o começo da segunda perna e forcei na volta à praia para fechar exatamente dentro do tempo imaginado, 59 min no pórtico.

Cadê, cadê ?

Fui rápido pra transição, vi a família toda lá berrando e segui empolgado pra tenda e num instante estava saindo com a bike. Montei e consegui dar uma topada incrível com o dedão esquerdo no asfalto. Doeu pacas mas não olhei antes de enfiar o pé na sapatilha. Segui calçando o outro pé quando vi as bisnaguinhas com azeitona todas voando. O plano era pegá-las no aerodrink, onde estavam encaixadas, e por no bolso do top. Só que na adrenalina toda não lembrei e só as vi decolando. Pensei que tudo bem, tinha dois gels extra para emergências e segui firme, entrei na SC e comecei o pedal propriamente dito.

Que dificuldade ficar na potência alvo ! Meio mundo me ultrapassava e eu ali, frio e calculista grudado nos watts certos. Mas a empolgação cresceu e passei um pouco, pouca coisa. Nas subidas então era ultrapassado por mais gente ainda. Segui no limite superior da faixa, com sensação de facilidade extrema. Como isso engana !

Fiz alguns trechos mais fortes para ultrapassar ou fugir de gente que vinha, mas mantive a coisa bem constante. Fechei o retorno do sul muito bem, me alimentando legal e quando fui passar num posto de água resolvi jogar as embalagens de gel fora. Enfiei a mão no bolso e joguei. Ouvi um barulho de algo diferente de embalagens vazias caindo no chão e percebi que tinha jogado 2 gels inteiros fora. Nãaaaaaao. Olhei pra trás e vinha um monte de bikes, nem cogitei parar e procurar os gels no meio daquele monte de embalagens, garrafas e cascas de banana no chão.

Fiz uma rápida conta e achei que faltaria carbo, foram-se ao chão ~90 gramas. Assim, resolvi compensar com gatorade, que tem 40 gramas de açúcar cada um. Continuei e fechei a primeira volta pouco acima do ritmo previsto, o que era pensado pois o vento sempre aumenta. E gira.

Aliviei na volta para o sul contra o vento fraquinho e tomei o segundo gatorade com um pedaço de banana no pedágio. Toquei para os morrinhos, agora era eu que ultrapassava todo mundo, sentadinho no banco. Na última volta do sul fiquei realmente com fome e comi o penúltimo gel. Catei mais banana no koxixos e segui pra canasvieiras com um vento minúsculo que rodou, tranquilo. Lá naquele retorno fiquei puto.

Os pelotes estavam lá, menos que 2013 pelo que lembro, mas estavam. Deixei dois irem embora na primeira volta e então lá estava um gigante, uma tripa de gente voltando no elevado da vargem grande enquanto eu ia... e no meio deles, um cara com as mãos fora do guidon, de braços levantados, se alongando ! Deve ser tão difícil pedalar daquele jeito... tadinho. Tem várias coisas que me deixaram feliz nessa prova, muitas mesmo. Ter pedalado sozinho, várias vezes sem nem ver ninguém à frente e atrás nas retas, é uma delas. Porque independente de tempo e resultado, essa prova é minha. Eu faço pra mim. Sei lá porque, pra me testar, aprender, mas é pra mim. Daí não entendo uma criatura que faz uma merda dessas. Meu, o resultado não é seu, entende ??? Sacou ?

Entrei pra jurerê já aliviando pra correr, estava no limiar de quebrar por prego de fome (acho que mesmo com tudo que levei faltaria), mantive o ritmo o mais leve possível e entrei na transição sem conseguir pisar com o pé esquerdo, fui saltitando todo torto. Peguei a sacola e só então vi o dedo, bem danificado.
Ainda bem que não doeu muito na bike... mas na corrida ardeu
Pensei por esparadrapo mas... não, não precisa. Meu pé nunca caiu nas corridas de aventura, não vai ser agora numa maratona seca. Me equipei e fui correr, tomando uma garrafinha de GU Endurance que tinha deixado congelada de manhã. Foi revigorante, 60 gr de carbo, um monte de aminoácidos, taurina, cafeína e mais umas vitaminas.

Saí correndo no limite do pace, o relógio apitando que estava muito rápido e então engatei em ritmo de cruzeiro, indo até canasvierias um pouco mais rápido que o previsto. Nunca consegui fazer uma maratona negativa e não imagino ser possível num ironman.

Running, saiu quase constante essa maratona ! Curti !
Só andei na subida da igreja, mas a volta ali foi horrenda. Desci gritando de dor no dedão e na coxa direita, que tinha dado o ar da graça igual na natação. Em jurerê corri na parte nova do percurso e no km 18 não aguentei de vontade de aliviar a bexiga. Tinha feito isso 2 vezes na bike mas parece que o gatorade ainda estava em mim. Fiz xixi por quase um minuto sem parar e saí zonzo da casinha da podridão.

Saindo tonto da casinha...


Depois disso a coisa melhorou, pois vinha degringolando desde a descida e entrei num regime permanente novamente curtindo a corrida. Abri a segunda volta muito feliz, segui pela muvuca da búzios acelerado pelos gritos da galera, coisa forte aquilo. Acelera mesmo você.

A terceira volta foi um pouco pior depois da búzios, tive que ir no banheiro mais uma vez, xixi claro feito água...parei de beber água, só ficou a pepsi. Aquela ida pra jurerê tradicional já tinha virado um morro quando entrei lá pela última vez, fiz o retorno e voltei embalado e correndo forte (na percepção claro), passei o km 40 muito contente e pela primeira vez olhei no relógio o tempo de prova total.

Km 40, onde não sei porque uma alegria se instalou :-)
A gente que e quer a prova, mas quando está lá quer terminar, e depois que termina quer mais.
Bando de loucos, todos vocês !
Não sei porque resolvi acelerar, foi uma decisão mesmo, e dali em diante foquei o que não tinha pra correr o mais rápido possível pra tentar fechar em menos de 9h50min. Não deveria ter feito isso... fiquei 'cego', não vi ninguém, um monte de gente me mandou fotos e vídeos e eu não lembro kkkk. Se bem que estava com o sol bem na cara, mas passei do lado da minha família na chegada, de um monte de amigos, e não lembro. Só lembro de ter visto meu pai e esticado a mão para ele.

Entrei num sprint desesperador de 4:30/km no último km e desabei depois de chegar. Pela primeira vez entrei sozinho, consegui melhorar bem o tempo mas estava acabado, desandei a chorar e rir ao mesmo tempo deitado no chão. Vieram os staffs, me levantaram e aí o Hugo me conduziu pro laboratório dele (ele está fazendo uma pesquisa com espécimies que fazem o ironman). Depois massagem, praça de alimentação e saí de lá pra encontrar a turma.

Não tem preço aquele abraço. Não é só por ter concluído, mas por tudo. A gente abre mão de muita coisa e elas entendem, aceitam e (incrivelmente) apoiam. Tenho muito a agradecer à Daiane. Ela é quem cobre as minhas faltas de tempo, faz tudo enquanto eu treino, e ainda me incentiva. Muito, muito obrigado. E foi você quem disse que eu posso me inscrever pra 2016, só pra constar :-). Te amo pequena ! Meu grande pequeno filho e minha grande pequena filha, amo vocês mais que tudo. E meus pais e irmãos, sempre lá desde o primeiro Iron, ficam o dia todo pra lá e pra cá e não cansam. Obrigado !



Obrigado a Deus e meu anjo da guarda por me manterem intacto nos longos solitários de pedal, onde só apreciei da minha cia :-). Aos amigos de treino, obrigado pela parceria nos treinos na BR e em jurerê aos sábados,  muitos deles foram memoráveis. Sintam-se agradecidos e abraçados, todos.

Sem orientação profissional nada disso daria certo (eu me destruiria com certeza). Roberto Lemos, obrigado ! Conseguimos melhorar mais um pouco. E Eduardo Monteiro, fisio que sempre me desentorta dos treinos mais pesados e prepara para a pancadaria, valeu ! Vamos para a próxima (que é bem próxima).

E finalmente, à Dígitro e colegas, os que competiram e os que assitiram e vibaram. Obrigado !



Até lá,

-----------------------------------------------
Dados técnicos

Alimentação

Bike: 5 medidas de GU Endurance, 6 gels, 3 pedaços de banana, 3 gatorades, 4 capsulas de sal, água
Corrida: 2 medidas de GU Endurance na T2, 4 gels, pepsi
Acho que faltou na bike, foram realmente as azeitonas das bisnaguinhas voadoras que faltaram.

Garmin: 9:49:42
  • Swim: 59:13 - 1:29 min/100m
  • T1: 4:47,0
  • Bike: 5:11:12 - 34,6 kph
  • T2: 3:20,3
  • Run: 3:31:09 - 5:02 min/km
Tempos oficiais
27o cat, 155o geral, 121 amador geral

O melhor ano tinha sido 2012, 10:19. A bike melhorou 14 minutos esse ano, a corrida 10, natação 1.

Sobre o medidor de potência: usar isso na prova tem um valor enorme. Simplesmente evita de você se matar no início quando tudo é belo. Vi isso claramente nas subidas. Na primeira volta, eu parecia um lerdo. Na segunda, ultrapassava todo mundo pedalando do mesmo jeito. E fiz a prova consciente, segurando onde achei que deveria e forçando da mesma forma. Curti o bicho.

Sobre as condições da prova: esse ano foi muito bom. Mar calmo, pouca correnteza. Quase nada de vento, pouco sol, temperatura agradável. Muito, muito propício a bons tempos, como mostram os resultados com 4 sub8 no masculino e 1 sub9 no feminino, fantástico. Quero só ver ano que vem. Como campeonato latinoamericano, entupiu de gringos, hermanos por toda parte. Nove na minha frente na categoria, para ser mais exato :-).

Fotos !!!

Dia espetacular na baía sul

Primeira volta ainda

Já na terceira volta, a cara é a mesma  
A famosa foto da saída do túnel

Cartão postal de Floripa estragado por mim :-)

Saindo da natação, bem tranquilo, só que não

A meta
Dia 7 de maio eu tracei o objetivo pra prova, o que eu achava que dava pra fazer em condições perfeitas
Colei esse adesivo que achei nas tralhas, acho que de 2013
Foi perto ;-)

6 comentários:

  1. Cara... tua prova foi fantástica! Não sei nem o que te dizer a não ser parabéns. 2016 no máximo te acompanho como torcedor. E sinceramente, 2017 penso em fazer algo fora. Ainda estou analisando.
    Show de bola!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu cara, fez um provão também !!!!
      Tem prova pra caramba pra fazer por aí, temos que explorar. Aqui é aqui, claro, e tô em casa, mas tem opçõs pra tudo que é lado, e o Norseman há de me sortear HAHAHAH

      Abraço

      Excluir
  2. Correu muito Pina. Parabéns.
    As condições estavam mesmo perfeitas.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Resultado espetacular! Parabéns!

    ResponderExcluir

Participe ! Deixe sua opinião, ou crie uma polêmica :-)