quarta-feira, 6 de junho de 2018

Ironman Brasil 2018

É incrível como há uns 3 ou 4 anos sempre acho que fiz a melhor preparação da história para um Ironman. Todo ano ainda evoluindo, isso é fantástico. Mas esse ano foi especial. Bem focado, só com duas provas no primeiro semestre fora o Iron e muito cuidado com detalhes.

Um ciclo que foi praticamente perfeito, com zero lesão (não ausência de dor ou problemas :-), treinos longos 100% executados e um foco a mais no ciclismo. O Roberto preparou um volume ligeiramente maior do que eu estava habituado com treinos de qualidade nas trẽs modalidades sempre e bastante especificidade. Um 70.3 no caminho confirmou que o negócio estava certo.

Numa prova tão longa quando um iron tudo pode acontecer, e várias coisas podem acontecer ao mesmo tempo. Mas o mais importante é tirar aprendizado de tudo e manter (sempre que possível) o foco no plano, em controlar o que podemos controlar e nos adaptar às situações externas que fogem ao nosso controle. Minimizar o erro, mas aprender com eles. Reorganizar as metas mas continuar tendo metas. Conseguir se desafiar em uma prova perdida e ainda assim sair satisfeito por ter feito o melhor. Tirar o melhor da situação sem se conformar com não ser o melhor. E acima de tudo, lembrar porque eu faço isso: porque eu gosto ! Simples assim.

A semana pré prova foi especialmente atribulada, muitos detalhes e trabalho, mas tudo zen na medida do possível. Cuidado com a imunidade, revisões preventivas com o Èder na Quiron Saúde (sim, antes de estragar, alinhar, prevenir e recuperar muito bem). Alimentação bem feita e sono na medida do suportável :-).

Consegui nadar às 7:00 na quinta feira e depois só fui pra Jurerê sábado a tarde estranhamente tranquilo. Fiquei hospedado no Palhares e na Dani e deixei a bike às 19 horas. Consegui jantar e dormir muito bem.

Ao sair de casa acabei achando uma câmara que não coube no kit de ferramentas e pensei em por na sacola de ciclismo pra levar no bolso, mas a caminho da transição joguei a bendita dentro da sacola do special needs do ciclismo. Essa decisão simples me assombraria horas depois.

Ajeitei todas as coisas na tenda, botei na bike toda a suplementação milimetricamente preparada pela Jana. Foi o primeiro ano com acompanhamento nutricional e a diferença em tudo foi enorme !

Voltei pra casa do Palhares e depois saí muito tranquilo pra praia e aqueci 5 min no mar antes de ir pra largada, encontrando a galera toda e logo em seguida a turminha de casa que foi lá me ver pelo décimo ano ! Amo vocês meus amores, essa energia é fundamental e indescritível.

Larguei bem e decidido a tirar o melhor custo benefício na etapa de natação, nadando reto e tentando pegar uma esteira boa, sem apanhar ou me enroscar em outros atletas. Tudo certo até o início da segunda volta, quando vi a dispersão de cabeças coloridas devido à corrente. Nadei totalmente sozinho para nadar reto e saí da água com 58min e bem satisfeito.

Transição relâmpago em 3min25seg e então saí pro pedal. A única coisa que eu queria era não ter que por o pé no chão e fazer o que tinha feito nos treinos, mas eu não havia treinado para o que viria a seguir :-).

Logo no início fiquei assustado com a quantidade de atletas parados com pneu furado. Fiquei procurando algum acidente com carro e vidros ou cacos de lanternas, mas tinha atleta a cada 200 m. Estranho. E então no elevado de jurerê ficou estranho pra mim também. Pneu traseiro esvaziando. Com toda a calma, achei o preguinho e tirei. Ainda havia ar e então usei o selante, girei o pneu e coloquei de novo e então botei o CO2. Ficou duro feito uma pedra. Oba, não perdi nem 2 minutos !

Segui empolgado pra SC-401 e passei literalmente voando em cima do tablado que existia pra passar o canteiro. A garrafa traseira de suplementação decolou. Ainda a vi girando no asfalto, mas o enxame de atletas vindo a seguir em descida e ainda por cima em curva eliminaram qualquer intenção de voltar na contra mão para buscá-la.

Fiz contas nutricionais e conclui que os dois geis adicionais dariam conta do carbo e bastaria um gatorade pra equilibrar os eletrólitos que fugiram. Ou não.

Segui até canasvieiras muito forte e comecei e encaixar o ritmo, retornei e um km depois pneu no chão de novo. Muito calmamente troquei e gastei o último CO2 e segui tentando evitar pensar em prejuízos ou recuperar, a prova estava só começando. Então logo ao descer o elevado da vargem tudo no chão outra vez. "Puta que pariu, o que é dessa vez" ?! Nessa hora tive um frio na espinha ao lembrar da cena da minha mão depoistando a outra câmara na sacola laranja... só tinha uma câmara e o pitstop que não stopava nada. Logo eu que sempre ando com três câmaras em treino e na prova ainda deixo uma com pneu, CO2 e ferramentas no special needs, mas a sacolinha salvadora estava a 30 km de distância.

Tentei aplicar o pitstop mas nem enchia o pneu. Conclui que era um furo grande e berrei a plenos pulmões.... "Imbeciiiiiiiiil" ! Nada de motos, então com a calma de quem revira o cesto de lixo procurando papel higiênico menos usado, recoloquei a câmara anterior e enchi com o que restava de ar no pitstop e segui esvaziando, até esvaziar tudo. Aí vi uma atleta com um apoio arrumando o pneu, mas o apoio só estava ajudando ela a trocar e não tinha nem bomba nem mais CO2.

Então lembrei que tinha uma tenda shimano no pedágio no ano passado e saí pedalando com pneu oco até lá, a traseira dançando e todos os atletas avisando que 'tá com o pneu furado'. "Sério ?? E aí, tem uma câmara pra emprestar :-)" ?

Chegando na tenda azul acabei achando uma roda com cassete de 10V, troquei e segui para finalmente começar a prova. Ao ver o garmin com 24km/h de média, pensei que o dia seria longo ou dolorido, uma das duas coisas, ou as duas juntas. Felizmente foi só a segunda, pois estatisticamente estaria com crédito para fazer mais 10 ironman sem parar pra nada, depois de ter parado 5 vezes em 30 km.

Voltei ao plano só pensando em pedalar como deveria, e fui indo, indo, indo, fechei a primeira volta em 2h46 e segui percebendo a elevação eólica que se instalava. Largar 7:25 e ainda ficar 22 min parado é um acoisa que amplifica o vento no final do ciclismo.

No final a coisa foi boa, eu consegui manter bem a potência e a normalizada geral no que deveria fazer, ficando pouca coisa acima do alvo. Mostrou que o treino estava nos trinques, consegui fazer um pedal desastrado em 5h20 e segui para a corrida todo empenado e esfomeado.

Novo recorde de transição em 2min34seg e fui pra maratona decidido a fazer a meia mais forte e na percepção. Praticamente não olhei garmin, nem nos laps e só na descida pra canas que vi o pace.

Por algumas vezes o Palhares me deu as parciais e me disse que eu estava ganhando posições rapidamente depois de sair da T2 em 40º. Esse sabe motivar, e me vi perseguindo alguém virtualmente, com uma nova meta de tentar ganhar posições a cada vez que ele me achava.

A segunda volta foi mais lenta, passei no banheiro para número 1 por 30 segundos e tomei uns copos cheios de pepsi. Consegui ingerir 5 gels e a coca começou a cair bem. Apertei um pouco a última volta e saiu melhor. Ao virar na Búzios fui ver o tempo de prova e eram 9h52min. Aí uma nova meta se instaurou, que foi fechar antes das 10 horas. Do nada saí acelerando em busca de um número inútil, mas que representaria o esforço derradeiro de fazer varias limonadas de um limão. Um objetivo depois do outro, sempre com um objetivo.

Uma maratona de Ironman é uma coisa rara. É um lugar onde a gente bota toda a energia do mundo pra tentar correr num ritmo que é difícil de fazer em treinos leves. É onde a prova se decide e onde só dependemos de nós mesmos, e ainda assim é cheia de altos e baixos. Não há quem não sofra ali, e eu sempre quero acabar até chegar no km 40, mas dali em diante quero esticar a sensação o máximo possível, e é a chegada que vem correndo pra mim e não eu até ela. É onde a gente bota tudo o que tem e mais um pouco pra simplesmente continar indo.

Corri o tempo todo bem focado, raramente usando energia pra outra coisa que não por um pé na frente do outro. Alguns sorrisos saíram mas desculpem a falta de retorno nos gritos e acenos. Ouvir aqueles "bora pinaaaaaaa" por onde passava ajudava demais. Muito obrigado a todos que torceram.

E aí cheguei relativamente acabado em 3h33min. Estava meio zonzo há alguns km e realmente desabei dessa vez, sendo a primeira que fui parar no soro. Uma prova linda e difícil, valorosa como poucas.

Nosso controle vai até onde podemos controlar, nossas decisões tem impactos e não podem ser desfeitas. O que temos que fazer é dar um jeito de transformar tudo que deu errado em algo positivo, permanecer motivado e continuar em frente, porque lá na frente sempre vale a pena.

A todos que fizeram essa festa, parabéns pra vocês !! Se propor e realizar, buscar e atingir. Parabéns e obrigado pela parceria nessa labuta divertida.

Gean Hoffmann, obrigado pela parceria de sempre no cuidado com a bike !!!!
Éder, você é fora de série no cuidado e atenção com os atletas ! Muito obrigado por tudo !

Obrigado de coração Daiane por toda a paciência do mundo e cuidado com nossos pequenos enquanto eu treino. Agora vamos descansar. Até a semana que vem :-).


Ao ver isso na subida de canajurê senti como essa prova desperta essa empolgação em todos. Muito obrigado Éder !!!!!

Torcida 10x Ironman

Ali de braços levantados, saudando a Daiane lá no mar e o próprio mar !

"Pina tá cheio de sal na bermuda, cuida da suplementação", disse o Palhares.
"Ah, não esquenta, é espuma do pitstop".
Era sal sim.

To T1

Abraço pré largada

That finish line !

Classica. Nessa hora pensei em pegar a câmara no special needs mas lembrei que nem sabia se a roda era clincher ou tubular... então não parei

That's It !

7 comentários:

  1. Mariana Gabriela Lapa dos Santos7 de junho de 2018 11:40

    Olá Pina!

    Uma dúvida sobre o pit stop...sempre carrego ele nas provas mas nunca precisei usar...quer dizer que não funciona muito bem é? Emprestei à um colega que precisou uma vez e não funcionou também hehehe

    Você aplica o selante, gira a roda e depois ainda enche com co2?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a segunda vez que preciso e não funciona kkkk
      Sim, aplica, gira a roda pra espalhar, aplica e gira aí enche....

      Uma vez tinha um vencido e usei numa roda de treino no rolo que furou, aí ficou um ano kkkkkkk

      Excluir
  2. Parabéns pelo relato. Na minha visão leiga, pensei que tu tinha achado uma câmera fotográfica, kkkkkkkk

    ResponderExcluir
  3. Cê escreve bem, Rafael. Parabéns pela prova. Meu, fechar a maratona do Iron a 3:33 é inacreditável.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Maurício !!!!!!
      A ideia era fechar em menos tempo mas sempre eh uma história diferente ;-)

      Abração b

      Excluir
  4. Cara... incrível como tu faz um pedal de 5h20' com tudo isso. E eu tava feliz com meu de 5h12' sem um ai sequer a não ser o vento. O juvenil e o pro! Eis a diferença. Kkkk
    Parabéns Pina, belo relato!
    Abração!

    ResponderExcluir

Participe ! Deixe sua opinião, ou crie uma polêmica :-)